terça-feira, 24 de setembro de 2013

Poema: Devaneios


Campo de trigo com corvos (Van Gogh)
Escrevo para aquietar a alma
escrevo pra camuflar a covardia 
e escondê-la entre versos
reversos.
Escrevo mesmo prometendo não fazer mais aquilo
aquilo de te usar
como matéria prima dos meus devaneios.
me desculpe,
eu fiz de novo.
Ei garoto sonhador
de sorriso largo
e espírito aventureiro
só queria que o mundo te enxergasse como te enxergo
te acalentasse
e abraçasse o que tens a dizer.
Ei menino dos olhos brilhantes
há alguém capaz de entender suas loucuras
de provar suas doçuras
e fazer da desesperança coisa do passado.
Não que...
Mas é...
Talvez seja.
Por isso sussurro entre um verso e outro
que estarei sempre aqui
caso decida olhar com um pouco mais de carinho
para essa possibilidade.
Aqui, entre um verso e outro
na esquina de duas estrofes, 
onde o sonho debocha da realidade
e usa-se a tristeza para fazer rima
Se anima!
Aqui esperando você
para colocar um título nesta história
e botar ordem na vida
ou
quem
sabe
bagunçar tudo de vez.

sexta-feira, 20 de setembro de 2013

Resenha - Morte Súbita

"Escolher é algo perigoso: quando escolhemos, temos que abrir mão de todas as outras possibilidades."

Quando terminou a saga Harry Potter, J.K. Rowling tinha um desafio pela frente se quisesse manter sua bem sucedida carreira de escritora: mostrar que tinha talento para ir muito além de somente escrever sobre um mundo mágico habitado por bruxos e seres espetaculares. Eis que veio Morte Súbita, primeiro livro realmente adulto da autora inglesa. Será que ela havia conseguido? Depois de uma leitura demorada (são mais de 500 páginas) pude ter certeza que sim, ela havia conseguido.
A história é bastante complexa para ser resumida, mas tentarei: imaginem uma geografia espacial da seguinte maneira: há uma cidade grande (Yarvil) e ao seu lado um vilarejo emancipado (Pagford). Entre Yarvil e Pagford há uma colina. Eis que os moradores mais pobres de Yarvil, cansados de serem ignorados pela administração local, invadem a tal colina e começam a formar o que chamamos vulgarmente no Brasil de favela (Fields, no caso). O problema maior começa quando a favela cresce muito rapidamente e os
moradores do local, sem nenhum tipo de saneamento básico, começam a  buscar serviços como saúde e educação no vilarejo de Pagford. Surge uma briga: Pagford não quer pagar impostos para manter estrutura para seus cidadãos e também para os cidadãos de Fields (que tecnicamente são responsabilidade de Yarvil). Dentro do vilarejo surgem dois grupos: os pró-Fields, que defendem uma solução passiva e gradual para o conflito, e o anti-Fields, que defendem a expulsão imediata de qualquer vestígio de Fields na vida de Pagford.
O lider pró-Fields, Barry FairBrother, foi morador da favela quando pequeno e é a prova viva que investir nos mais pobres gera resultados positivos. Do outro lado, o líder anti-Fields, Howard Mollison, defende que "pau que nasce torto morre torto" e que Fiels é um lugar sem salvação, povoado por drogados, prostitutas e tudo de ruim produzido pela sociedade. A briga parece boa, principalmente porque os dois são membros influentes do conselho local (espécie de vereadores aqui no Brasil) - sendo que Howard é o líder do Conselho e Barry o conselheiro mais popular. Tudo muda quando Barry, numa noite qualquer, sofre um aneurisma cerebral e simplesmente... morre. O pilar que segurava de igual para igual o peso do edifício desabou. E agora? O que será dos pró-Fields e principalmente dos moradores da comunidade? Só lendo para saber.
O jogo político entre prós e anti-Fields se esquenta ainda mais por um motivo: com a morte de Barry, a cadeira dele no conselho fica vaga, à disposição de um novo conselheiro - o que chamamos de vacância - (daí o nome original do livro, The Casual Vacancy). Candidatos para ocupá-la surgirão aos montes, talvez alguém consiga restabelecer a briga comprada por Barry e  fazer as coisas se igualarem novamente... será?
Morte Súbita é uma verdadeira aula de como se fazer uma boa narração. Apesar de ter muitos personagens - cerca de trinta - as histórias fluem igualmente, sempre amparadas a lembrança do falecido Barry. O livro não alivia em momento algum, é violento, angustiante e tem um final bastante reflexivo (já adianto que nada feliz). Alguns personagens chamam mais atenção que outros (eu, particularmente, me apaixonei por Krystal e por Samantha), mas a verdade é que todos tem algo a contar... e a esconder. Em Morte Súbita tudo parece ser bastante provisório e instável, principalmente as aparências. 
Creio que a principal mensagem que Rowling quis passar com a obra é o quanto a sociedade consegue se fazer de cega diante das necessidades dos que estão à margem, e que muitas vezes é necessário que uma tragédia aconteça para que as pessoas escolham, enfim, abrir os olhos e fazer algo. É um livro excelente que merece sua atenção.

Principais personagens:

Barry Fairbrother e sua esposa Mary Fairbrother.
Howard Mollison e sua família (sua esposa Shirley Molisson, seu filho o advogado Miles Molisson, e Samantha Molisson, esposa de Miles)
Parminder e Vickam Jawanda (casal de médicos, pró-Fields, têm alguns filhos, a que tem relevância para a história se chama Sukhvinder)
Terri, Krystal, Cath e Robbie Weedon (família completamente desestruturada moradora de Fields. Cath é avó de Terri, que é mãe da adolescente Krystal e do pequeno Robbie. Terri é viciada em heroína e vive entre a crise e momentos de recuperação)
Simon, Ruth e Andrew Price (Simon é um operador de máquinas que está interessado na vaga do conselho, Ruth é enfermeira e Andrew é o filho adolescente do casal)
Colin, Tesssa e Stuart Wall (São pró-Fields, Colin é diretor do colégio local, Tessa é sua esposa  e orientadora vocacional e Stuart - mais conhecido como Bola - é seu filho adotivo adolescente e problemático)
Kay e Gaia Bawden (Kay é a assistente social que cuida da família Weedon e Gaia é sua filha)
Gavin Hughes (melhor amigo do falecido Barry, trabalha com Miles e tem um caso amoroso com Kay)

Dados do livro:
Nome: Morte Súbita (The Casual Vacancy)
Autora: J.K. Rowling
Ano: 2012/ ING
Editora: Nova Fronteira
Número de páginas: 501

Algo a mais: Quem termina de ler Morte Súbita fica com um questionamento na cabeça: "Caramba, esse livro daria um ótimo seriado de televisão!" Pois bem, a BBC adorou a ideia e comprou os direitos da obra para fazer uma adaptação à TV. Os trabalhos de roteirização já começaram e é provável que a série estreie já em 2014.

Fontes:
Em primeiro lugar o próprio livro.
Imagens:  Capa e Foto da autora
Informação de que o livro virará seriado: Portal IG

quarta-feira, 11 de setembro de 2013

Você Vai Conhecer o Homem dos Seus Sonhos

CAIO

Você Vai Conhecer o Homem dos Seus Sonhos
"Foi como mergulhar naqueles olhos sabe? Lembro perfeitamente como me senti, planando naquela íris ora azul ora esverdeada. Ele também me fitou, não deve ter achado muita graça nos meus olhos, tão simplesmente castanhos... "

Neblina e Sombras
"Me sentia um náufrago naquele imenso salão escuro, aquela música ensurdecedora com letras falando sobre nada e coisa nenhuma... Nem sei porque aceitei ser arrastado pra'quele lugar. Talvez seja para que, da próxima vez, eu possa dizer que não quero ir e argumentar que 'já conheci' e não gostei. Sai dali, precisava de ar. Sentado na Praça da República olhava para o luar, noite quente de verão tropical. De repente o observo na porta da danceteria, e ele estava olhando para mim. E se aproximando. Mãos soando. Não tenho o dom natural da conquista, devo estar particularmente ridículo..."

Meia-Noite em São Paulo
"E ai estávamos bebendo e gargalhando na Vila Madalena /Corta / E ai estávamos correndo pela Avenida Paulista cantando em alto tom a letra de Heroes/ Corta / E ai estávamos deitados no gramado do Ibirapuera observando as estrelas / Corta / E ai estávamos clandestinamente no topo de um edifício da Bela Vista observando aquele mar de luz e sombras/ Corta / E ai começou a chover - adoro clichês quando eles vem no momento certo/ Corta / E ai nos beijamos."

Desconstruindo o Caio
"Me sentia levemente desconcertado. Aquele inspirar-respirar pertinho dos meus ouvidos. Aquele cheiro de perfume caro, amadeirado. Aquela língua dentro da minha boca foi uma das sensações mais estranhas que já senti. E estava gostando."

Blue Jasmine
"Que loucura! Como pude ir contra todos os princípios que sempre defendi, de fazer as coisas com calma, ao sabor do acaso? Foi tudo por água abaixo! Já estava na cama, de edredom branco, algodão macio, travesseiros com fronhas cor pêssego. Me sentia um delinquente, burlando todo o código de ética e moral que havia escrito como roteiro de vida. Mas aqueles olhos, ah, aqueles olhos não me deixavam pensar. E o sorriso? Cabia o mundo inteiro dentro daquele sorriso, eu queria fazer de lá a minha morada. Quanto ao código? Queimava a medida que íamos tirando a roupa... mas quem estava em chamas era eu."

O Sonho de Caio
"Sete e meia da manhã. Com certa dificuldade abri os olhos. O outro lado da cama estava vazio. Por eternos segundos me pergunto se tudo não havia passado de um sonho. Encosto a cabeça no travesseiro ao lado do meu. Sinto o cheiro do perfume amadeirado. Só o perfume havia ficado. No criado mudo ao lado da cama um bilhete: 'Desculpe, ainda não estava preparado para acordar...' Nem eu."

Para Casa, com amor
"Sentei-me na cama, procurando com os pés o par de chinelos. Me levantei, fui até a janela e continuei a ler as frases rascunhadas naquele papel: "Talvez nunca mais nos veremos de novo, prefiro não deixar contatos. Você é a pessoa mais incrível que eu poderia conhecer numa noite só. É só que... é só que... não fique chateado comigo, um dia talvez possa te explicar tudo.' Olhei no horizonte o sol que já brilhava forte... 'Assim espero' disse entre um suspiro.

Igual a tudo na Vida
"A vida tira com a mesma facilidade que dá. É tudo tão transitório. Pelo menos foi uma noite que valeu por uma vida. MERDA! Será que meu código de ética já havia queimado por completo? Espero que algumas páginas tenham se salvado..."

Tudo pode dar certo
"Passei as demais semanas pensando no cara dos olhos azul esverdeados, do perfume amadeirado, do beijo molhado e hálito quente. Provavelmente nunca mais o veria, ele estava certo. Se eu não tivesse aceitado o convite para ir naquela maldita danceteria nada disso teria acontecido. Por outro lado, se eu não tivesse aceitado o convite para ir naquela danceteria nada disso teria acontecido... e não precisa fazer sentido. "

Memórias
"Rodrigo, era esse o nome dele. Já se passaram três meses. Nunca mais tive notícias. Acho que nem todo mundo precisa ter um final feliz, mas todos deveriam ter o direito de saber porque não o terão."

A Rosa Púrpura do Cairo
"Sempre quis ter minha vida dirigida por Woody Allen. Quando aconteceu usaram justamente o roteiro que menos gostava... sacanagem!"

Match Point 
"Pelo menos recebi uma proposta para trabalhar na França. Se aceitei? Me mudo amanhã. Au Revoir!"

Tudo o que você sempre quis saber sobre amor (mas tinha vergonha de perguntar)
"Ainda queria entender o motivo..."





Observação: este texto foi produzido fazendo alusão à títulos de grandes filmes do diretor Woody Allen. Quem conhece um pouco da obra do diretor também viu muito da técnica dele na breve história de Caio e Rodrigo.