sábado, 19 de abril de 2014

Análise - Hoje Eu Quero Voltar Sozinho

Sensível e delicado, primeiro longa de Daniel Ribeiro conquista o público por sua simplicidade


Uma sala de cinema lotada. Jovens e pessoas mais velhas, solteiros e casais. Este era o ambiente quando fui assistir “Hoje Eu Quero Voltar Sozinho”, filme do jovem diretor Daniel Ribeiro baseado em seu premiado curta-metragem de 2010 chamado “Eu não Quero Voltar Sozinho”. A proposta inicial de Daniel era fazer um filme que não fosse tachado como “homossexual” e que pudesse levar os mais diferentes públicos ao cinema. Parece que ele conseguiu.

O filme conta a história de Leonardo (Ghilherme Lobo), um jovem cego de nascença que se apaixona por um aluno novo da classe, Gabriel (Fabio Audi). Léo é melhor amigo de Giovana (Tess Amorim), que é visivelmente apaixonada pelo amigo mas fica balançada pelo novo colega. Está formado o triângulo amoroso que dá forma a história. Mas não se enganem, esse nem é o maior foco do filme. O maior chamariz da história talvez seja a busca incessante de Léo por mais liberdade, num ambiente onde ele é superprotegido pelos pais e sempre tratado com cuidados especiais pelos outros. Isso fica evidente numa cena quando o garoto conversa com Giovana: "Você não gosta da sua personalidade?", pergunta ela."Gosto, mas o problema não sou eu", responde Léo.

Todas as características de um filme adolescente estão presentes em Hoje Eu Quero Voltar Sozinho: incertezas, descobertas, amizades, brigas, tudo isso potencializado por hormônios à flor da pele. O mais interessante é que a questão da descoberta sexual de Leonardo nunca foi um tabu para ele. A última sequencia do filme (que arrancou aplausos eufóricos da plateia) deixa isso bem claro. Outro ponto importante que leva a reflexão é o fato de um garoto cego – que nunca viu meninos nem meninas – se apaixonar por outro garoto, simples assim. Daniel Ribeiro talvez queira nos mostrar que o amor é realmente algo simples assim, questão de sentir. Talvez todos esses rótulos que adoramos sair colando por ai não sirvam de nada, porque amor, no final das contas, é inrotulável.

Boa parte das cenas do curta está no longa, embora algumas tenham sido mudadas para se adaptarem ao roteiro. As questões técnicas do filme também não deixam a desejar; Até neste aspecto Daniel optou pela simplicidade. Poucos cenários, poucos atores e uma história simples, mas que foi o suficiente para prender o espectador nos cerca de 90 minutos de filme. Vale destacar a bela trilha sonora que vai desde Cícero (Vagalumes Cegos) e Marcelo Camelo (Janta) até Belle & Sebastian (There's Too Much Love) Beethoven e Bach.

Ghilherme Lobo é um “achado”. Consegue interpretar tão bem um deficiente visual que por vezes nos faz questionar se ele realmente não é cego. Fabio Audi continua tímido e delicado – mesmas características do curta e que ainda não sei se são do ator ou do personagem. Mas o que importa é que faz um personagem adorável. Tess Amorim evoluiu bastante desde o curta-metragem e ganhou espaço. Há uma cena impagável em que ela “toma um porre” e desabafa com Gabriel sobre os problemas que andam afligindo sua vida.

Sensível e delicado, Hoje eu Quero Voltar Sozinho é um filme sobre amor, simples assim. Mostrando que o cinema nacional tem sim algo a mais que comédias pastelão, a película anda conquistando plateias e prêmios ao redor do mundo (como o Teddy Bear, em Berlim) e está em cartaz em cerca de 56 salas pelo Brasil. Levou mais de 33 mil pessoas ao cinema em sua estreia e ainda promete conquistar muito mais gente. 


''A gente tem que falar as coisas que a gente sente, não adianta deixar guardado.'' (Gabriel)

"Se você roubasse um beijo de alguém, como você faria para devolver?" (Gabriel)

"Você não gosta da sua personalidade?" "Gosto, mas o problema não sou eu" (Gi e Léo)




Filme: Hoje Eu Quero Voltar Sozinho (BRA/2014)
Diretor: Daniel Ribeiro
Elenco: Ghilherme Lobo, Fabio Audi, Tess Amorim, Selma Egrei, Isabela Guasco.

NOTA (27/06): O filme já foi disponibilizado online neste site: Hoje Eu Quero Voltar Sozinho (online)

16 comentários:

  1. O texto mais esperado por mim <3

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Espero que tenha gostado ♥ Só gostaria de saber seu nome, você comentou em anônimo :/

      Excluir
  2. Adorei o curta. Preciso assistir ao longa. ♥
    Gostei da análise.
    Bj.

    Hi my name is Camila!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Camila assista sim, é muito bom e fará com que você saia sorrindo da sessão :3 Fico feliz que tenha gostado, beijão ♥

      Excluir
  3. Muito perfeito o TEXTO kkkk parabéns,

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigado Edson, fico feliz que tenha gostado! :)

      Excluir
  4. Quero muito ver esse filme, parece bem interessante!
    Beijos,
    http://misssorrisos.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É muito legal sim, veja Emanuelle, vale a pena! Beijão e obrigado pela visita ;)

      Excluir
  5. Este filme é sensacional, estou indo ao cinema quase todos os dias srsrs... é viciante, prende a gente de tal forma que parece que eu estou lá dentro da tela, vivendo tudinho junto com eles. Eu já assisti vários, filmes, amo cinema, tenho filmes pra guardar no coração de verdade, mas este me fez sentir algo que só sentia ao assistir os filmes da série Harry Potter ! O Daniel Ribeiro arrasou no roteiro, na delicadeza e simplicidade, nada de exagero !!! Lindo demais!!!

    Obs: Amei o Blog ! *-*

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Flávio, também gostei muito do filme (conforme disse no texto). Realmente a simplicidade com que ele trata o tema é encantadora. Fico feliz pela visita e por ter gostado do blog, espero que volte mais vezes! Abração.

      Excluir
  6. Não vi o filme, mas já tá na minha playlist! Em relação á sua guisa de relatar o filme, foi massa demais! Você simplesmente me fez imaginar cada palavra que disse, e o melhor, me fez querer ver o filme. Quando um compêndio é excelente, é outro nível. E sobre o amor que eu pude perceber através da mesma, é como eu gosto de dizer, as pessoas querem ter uma definição de amor, querem padronizar o amor, e o amor é bem mais simples do que todos imaginam, nada vulgar do que apresentam, e mais tranquilo do que acham. O amor está na simplicidade! aaaah, agora fiquei com vontade de me apaixonar, " Eu quero a sorte de um amor tranquilo".
    Parabéns de NOVO. to achando que vou bater point no seu blogger hein! Excelente compêndio!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Priscieli, por favor veja sim, o filme é lindo! Fico muito feliz deter gostado da minha análise e da forma com que escrevo, minha intenção ´ser o mais claro possível e despertar nas pessoas o interesse pelo filme. Volte sempre, será sempre bem vinda! Beijão.

      Excluir
  7. Eu vi o filme no último feriado e me apaixonei. A sala de cinema lotada, com os mais variados tipos de pessoas, de jovens a velhos, e todos saíram com feições extasiadas, assim como eu. O filme é doce, é simples, é de linguagem próxima, é livre de estereótipos e preconceitos. Eu amei mesmo. E sua resenha faz jus ao filme, parabéns!!

    Beijinhos
    www.serleitora.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Érica também fiquei apaixonado pelo longa. Muito obrigado pelo elogio e pelo comentário. Beijo ;D

      Excluir
  8. Aaaaai, adorei! Também assisti HEQVS e é um dos meus filmes favoritos :D
    Seu texto ficou super bem escrito e descreve a mesma sensação que eu senti ao assistir ao filme!
    Adorei o layout e o nome do seu blog, estou seguindo!
    Beijos!
    www.choqueliterario.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Luiza, fico feliz que tenha gostado do texto e do blog, volte sempre! Beijão, Paulo ;)

      Excluir